terça-feira, 11 de junho de 2013

a alma também

Já não acho ela mais tão bonita. As drogas a envelheceram..
O trabalho consumiu a leveza que outrora podia ter..
Hoje não mais. Faliu-se de si mesma. A rotina a engoliu.
Era indigesta, foi cuspida pela vida. Pela morte, pela sorte.

Sobrou dela o que eu não mais quero pra mim.
Uma beleza estranha, copiada de revistas.
A maquiagem cobre seu rosto e seu ego, mostrando apenas o que nunca foi.
Dinheiro para festas é o que tem de mais sutil.

Agora, não mais a vejo bela, o que antes era sim
Delicada em sua tristeza, dores e doenças
A pequena fofa era mais que magreza..
O corpo encolheu, a alma também..

A humanidade que se esconde..
na terra. Na Terra?
não.
Enterrada. Jaz. Morreu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário